Categoria: Poesia

02-08-07

Permalink 16:46:43, Categorias: Poesia  

uma certa estação pela extremidade
à mercê do uso que há no lustro
um esticar no lugar finalmente expulso
e a sua largura não mais do que uma sombra
dentro do arranjo outorgado

o lugar de custódia circular haveria sido um e(n)xame
uma bainha passajada de oceanos emendados a dente
um ponto na porta do laço

por onde haveria agora a margem do si
lêncio, a acentuação do brilho,
era aí a matriz da semente
na fruição aquática dos cantos

05-03-07

Permalink 01:39:01, Categorias: Poesia  

Pela luz como se fosse pela alça de um corpo desprendido
Isto é uma história de princípios
Havia primeiro uma peneira ardilosa seguida da rarefacção
Depois entrava a faísca de espaço num umbigo quase dilatado
Ou a coisa-toda-perene saltando pela identificação dos nomes
A seguir abre-se a boca nos Entrudos mentais pela facilidade da álgebra apagada
A luz pelo enlace é a convocação das auroras brandas e temperadas

E nas mãos do equinócio desbravado havia uma abertura milimétrica
A magnitude aparente da órbita desventrada

15-01-07

Permalink 02:03:22, Categorias: Poesia  

You have to allow yourself to be in existence within the moment

of partition

02-10-06

Permalink 14:33:39, Categorias: Poesia  

haveria atr
avés da lacuna da minúcia
a falha da exalt
ação. uma certa bagunça de nós. des ata dos. os tons acen
tuavam-se dur
ante a clara visão do im
pacto

por onde rea ver a intei
reza
por onde descre ver a que
da

retorna-se sempre aos naufrágios
às suas longas matrizes de sal
aos seus espaços de vácuo marítimo

retorna-se sempre aos naufrágios
às vastas sentenças das suas rotas imaginadas

retorna-se sempre aos naufrágios
à alteridade da sua derme impregnada

retorna-se sempre aos naufrágios
aos umbrais por onde se resigna a resina

à espessura do casco
à
pe
numb
ra

27-08-06

Permalink 23:30:54, Categorias: Poesia  

.

dessa brevidade do voo
(perpendicular à palpitação)
nada se regista

nesse assunto de leveza quase
amorfa

uma nota

de desagravo

nesta quaresma de cor*

* Os efeitos secundários desde poema incluem, entre outros:
palpitações, ânimo azedo, dores no dedo grande do pé, vontade súbita de rasgar papel, explosão de veias em locais atípicos, constipações do joelho, propensão para perseguir gatos.
Se sentir qualquer um destes efeitos, ou outros que não estejam aqui mencionados, deve visitar de imediato o/a sua poeta de serviço

16-08-06

Permalink 05:04:40, Categorias: Poesia  

Diálogos de um Cão saltitante

acordar prendendo os cabelos das vidraças flamejantes

::

Agosto 2017
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
 << <   > >>
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      

Visitante por de dentro da paisagem: (das algas)

Um blog com poesia, prosa, fotografia, arte e bolinhos de café.

Escrito por aNa B.

Email: ana@ana-b.com.

Site: www.ana-b.com

--------------------------

Procurar

Categorias

Misc

XML Feeds

What is this?

powered by
b2evolution